Templates by BIGtheme NET

A indicação lida durante sessão dessa quinta-feira (14) pede que o Governo realize um estudo para identificar, minimizar ou eliminar os pontos críticos das rodovias, locais com maiores registros de acidentes.

Identificar e minimizar os pontos críticos nas rodovias estaduais de Alagoas por meio de um estudo, visando à redução de acidentes nas estradas. Este é o objetivo da indicação proposta pelo deputado Marcelo Beltrão (MDB), lida na sessão dessa quinta-feira (14), na Assembleia Legislativa.

Em toda malha viária estadual existem muitos pontos críticos, onde recorrentemente ocorrem acidentes, muitos deles com vítimas fatais. De acordo com o deputado, a indicação foi proposta para que o Estado possa identificar estes pontos e, por meio de um Programa de Governo, sinalizar, minimizar ou até eliminar estes trechos, promovendo mais segurança para os condutores e redução de acidentes.

“Temos na região sul do Estado um exemplo bastante conhecido, que é a chamada curva da morte, localizada no município de Coruripe. Neste trecho da rodovia, os acidentes são recorrentes e muitas vidas já foram perdidas. Assim como em Coruripe, existem muitos locais de risco, onde são registrados muitos acidentes em nosso Estado. Então a criação de um Programa traria mais segurança para os condutores que transitam nas rodovias estaduais”, justificou o deputado.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômicas Aplicadas (IPEA), em parceria com o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), no ano de 2010, calculou o custo social de vítimas de acidentes nas rodovias. Usando critérios como custos com atendimentos às vítimas, custos associados aos veículos, custos institucionais, custos associados às vias e meio ambiente do local do acidente, o estudo chegou ao valor de R$ 270 mil por vítima fatal.

“Dados do DATASUS mostram que em 2015, 755 pessoas morreram em acidentes de trânsito em Alagoas. Em 2010 o IPEA apontou que o custo de cada vítima fatal era de duzentos de setenta mil reais. Atualizando para o ano atual pelo IGPM, daria um custo de quinhentos e cinquenta e seis mil reais por vítima. Além disso, existem os prejuízos incapazes de serem mensurados, como as perdas das famílias, os traumas causados, entre outros. Temos nossas rodovias consideradas pela Confederação Nacional do Transporte entre as melhores do país, então se faz necessário que o Governo do Estado possa dar uma solução para reduzir os acidentes”, finalizou Marcelo Beltrão.

A indicação será votada na próxima sessão ordinária da Casa de Tavares Bastos.

Izabelle Targino/ Assessoria de Comunicação

(82) 99403-5569

 


Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*