Templates by BIGtheme NET

Em contato já há alguns dias com cerca de 30 alagoanos que estão em Portugal sem conseguir voltar ao Brasil, o senador Rodrigo Cunha pediu neste sábado o empenho pessoal do ministro das Relações Exteriores (Itamaraty), Ernesto Araújo, para resolver essa situação. Na conversa, Rodrigo contou o drama desses brasileiros e encaminhou seus nomes e contatos. O ministro afirmou que tomará providências para trazê-los de volta e que priorizará aqueles que têm mais idade por estarem no grupo que corre maior risco em desenvolver a forma mais grave do coronavírus.

Rodrigo Cunha já havia oficiado o Itamaraty sobre a situação desse grupo, que partiu do Brasil rumo a Lisboa num cruzeiro e foi pego de surpresa com o agravamento do alastre do coronavírus. Eles tiveram seus voos cancelados e se encontram desamparados no país estrangeiro, temendo se expor aos riscos de contrair a doença e ansiosos por voltarem a suas casas.

Além desse caso de Portugal, o senador também pediu que o Itamaraty interceda por duas alagoanas que estão em Lima, no Peru, tentando voltar, sem sucesso. Elas viajaram com um voo da Avianca/Peru, que até o momento não deu qualquer assistência ou previsão de retomada dos voos.

“O ministro já havia sido informado por nós sobre essas situações e está comprometido pessoalmente a trazer todos de volta. Ele disse que chegou inclusive a cogitar o uso de aviões da FAB para socorrer esses nossos alagoanos, mas que a orientação do governo, neste momento, é que os aviões da FAB fiquem no Brasil a postos para situações emergenciais que venham a ocorrer aqui dentro do país. É um momento crítico que estamos vivendo, mas é importante tentarmos nos ajudar. O ministro se mostrou empenhado a resolver esses problemas o mais rapidamente possível”, afirmou o senador.

Outras situações de alagoanos no Paraguai também chegaram ao senador, mas essas foram resolvidas com a reabertura temporária da ponte que liga aquele país ao Brasil, possibilitando assim que os brasileiros conseguissem voltar.

 Da redação com Catarina Alencastro 


Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*